marcas-reagem-derrota-brasilDepois da acachapante derrota do Brasil nas semifinais, (nem precisa citar o placar, certo?), assistir a um comercial ufanista de apoio à seleção, com pessoas torcendo, só faz você se sentir pior. E nada pior para o anunciante do que ter sua marca associada a sentimentos ruins.

 

O que as marcas anunciantes da Copa fizeram?

Por mais que as marcas tivessem preparado alternativas para uma eventual derrota da Seleção Brasileira, não tinha como ter um plano B para uma humilhação como esta. Nesta Copa, as redes de TV permitiram aos anunciantes enviar comerciais alternativos em caso de derrota, ou manifestações anticopa. Nenhuma marca arriscou, apenas tirou a campanha da Copa do ar – veja o panorama das marcas frente à TV:

Itaú – Mostra sua força Brasil – foi automaticamente substituído por um comercial de acesso ao banco via celular
Johnson & Johnson – O comercial da torcida embalado pela música “Deixa pra lá” ainda estava sendo veiculado meia hora após a derrota.
Claro – o filme de apoio a seleção ainda estava sendo veiculado meia hora após a derrota.
Skol – filme que tirava sarro da Argentina ainda continuava no ar.
A maior parte de todos os comerciais relativos à Copa já tinha sido substituídos na TV no dia seguinte.
 

Nas redes sociais, a resposta à derrota do Brasil foi mais rápida.

Ao mesmo tempo que a derrota do Brasil foi o evento mais tuítado de toda a história da rede social, as redes sociais aproveitaram este meio para um plano mais ativo de resposta ao sentimento dos brasileiros. Veja algumas das principais ações, com nossos comentários.

 

Na nossa opinião, uma saída bem sacada que passa visualmente o sentimento da nação, sem deixar de explorar o produto.  
 

Em conjunto com a capa do facebook e twitter deles, preta só com a hashtag #sempalavras também foi bem sacado.
 

Esta, apesar de boa, só precisou do botão “publicar” – já estava prontinha para ser lançada em qualquer derrota do Brasil.
 

Uma resposta nem tão brilhante, mas honesta.
 

Postada no meio do jogo. Mas o problema é que depois da derrota, a Budweiser não postou mais nada, nem fez mais nenhuma menção ao Brasil.
 

Fraquinha, a comparação com a experiência com o produto não faz jus ao sentimento como fez a Coca.
 

Sem nenhuma menção ao Brasil, conseguiu transmitir o sentimento com a mesma força da marca. Só pena não ter um tuíte ou ter arriscado em português – o fan page da marca ficou no vazio no facebook.

 

Esta também provavelmente já estava pronta. Mas é muito boa e funcionou muito bem.
 
gatoradebrasil
Também já estava pronta. Mas é boa, simpática e apoia a seleção – funcionou bem também.
 
 
Gostou? Tem mais conteúdos como este toda semana no blog Edhy. Assine nosso newsletter:

* Campo obrigatório




Responda