google-chromecastO Google Chromecast já chegou ao Brasil. Parecido com um pendrive que se conecta à porta HDMI, ele liga o celular, tablet ou notebook à TV HD permitindo que o usuário visualize conteúdo da web direto na televisão, usando o Wi-fi.

Mas isso você já podia fazer, com um notebook com cabo HDMI, ou usando o Apple TV, ou com uma SmarTV.

O que o Chromecast muda?

É que o Google Chromecast além de ser muito mais prático, é também muito mais barato. Mesmo com o “custo brasil” embutido está saindo por R$ 199,00, sendo possível parcelar em até 10x nos principais sites de compras on-line. Ou seja, é muito acessível. Ele é focado em vídeos e já inclui as principais plataformas, Youtube, Netflix, VEVO. E ainda permite a reprodução de vídeos e fotos do celular. Com isso, cada vez mais a tecnologia está ficando mais acessível para que as pessoas façam sua própria programação.

Com isso, quem vai assistir propaganda?

As propagandas do Youtube estão cada vez mais disseminadas, mas é possível pular o anúncio após 5 segundos. Ou seja, se a propaganda não for focada exatamente no público-alvo e consiga prender sua atenção nos 5 segundos antes dele poder pular seu anúncio, não será vista. Um grande desafio para anunciantes e agências de propaganda.

Outra possibilidade que o mercado tem praticado é o caso do patrocínio de vídeos, como fez por exemplo o LifeBuoy com um dos vídeos da Galinha Pintadinha. A propaganda está no próprio vídeo feito, aí o usuário acaba assistindo. Ou então o caso do Spoleto e o grupo Porta dos fundos.

Outro exemplo vem de marcas como a Nike, que criou filmes exclusivos para a web/Youtube como o que está neste link que já atingiram 73 milhões de expectadores. Um grande investimento na confecção do vídeo, mas a mídia saiu de graça. Guardadas as devidas proporções (afinal de contas não é todo mundo que pode contar com esta quantidade de estrelas em seus comerciais) pode sair mais em conta investir em um vídeo para se tornar viral, do que em propaganda nos principais meios?

Esta é uma tendência que só deve se consolidar cada vez mais. Seria o Chromecast o golpe de misericórdia na TV? Como o mercado de publicidade televisiva precisará reagir? Aguardem os próximos capítulos – nós estamos de olho! Quer acompanhar conosco? Assine nossa newsletter semanal.

* Campo obrigatório




Responda