produtos-maquiadosManipular produtos para fotos e filmes publicitários é bem comum em propaganda. É mais ou menos como uma pessoa que usa maquiagem para tirar uma foto – a pessoa é aquela, mas com a aparência melhorada.

Vários são os truques aplicados aos produtos para deixar o hambúrguer mais suculento,  o refrigerante mais suado, a lasanha mais encorpada. Essas técnicas são aplicadas por profissionais conhecidos como food stylists e também por fotógrafos de publicidade.

Somado a esses truques, a quantidade de softwares para edição e tratamento de imagens torna ainda mais fácil a arte de seduzir o consumidor com guloseimas apetitosas, roupas bonitas, dentes mais brancos, cabelos maravilhosos e tantos outros.

Para o consumidor da era da informação a propaganda funciona como um estímulo para a tomada de decisão – tanto para a aquisição, quanto para a rejeição, pois grande parte das pessoas percebe esta manipulação. Principalmente em propagandas e embalagens de alimentos.

A Lei protege o consumidor contra essas imagens fantasiosas, por isso existe aquela mensagem “imagem ilustrativa” no cantinho das embalagens e dos anúncios. Assim, as empresas evitam processos por propaganda enganosa. Por outro lado, se a maquiagem é um diferencial e toda a concorrência o faz, se você está no mesmo mercado, isso passa a ser um padrão. Aí, sua empresa não pode deixar de fazer o mesmo sob pena de parecer menos do que os demais. Mesmo assim, algumas propagandas exageram na produção.

Compare o sugerido pela propaganda com a realidade, com nossos comentários:

big-mac

kebab

Para lanches, um clássico. Por incrível que pareça, o lanche é montado com os ingredientes reais. Só que estes são manipulados para ficarem mais apetitosos (quentes, eles murcham, então, na sua maioria os ingredientes estão frios). A carne, por exemplo, não é completamente frita e recebe uma camada de silicone e verniz ou shoyo.
Por que são feitos assim: os ingredientes ficam para fora do sanduíche para que a pessoa possa ver bem do que é composto o recheio. E é claro, para parecerem maravilhosos. Obs: Tem um vídeo neste post que ensina como fazer um destes.

pasta

A pasta de dente nunca ficaria para cima, desta forma. Consideramos isto irreal, embora não vá prejudicar o uso do produto. O que é prejudicial aqui, sim, é a quantidade da pasta na escova. Menos de um terço disto é o necessário para uma escovação eficiente, mas a propaganda exagera para forçar o consumo maior do produto.

hot-pocket-frango

goiabinha

bolo

Ao invés de foto foi feito um 3D ilustrativo do produto. Até aí, uma prática comum. O problema é a quantidade de recheio x massa prometida. Isso está claramente desrespeitando o consumidor, pois o produto deveria seguir a mesma padronagem da embalagem. Ou o 3D ter sido feito com menos recheio.

chocookies

panetone
hersheys

Chocolate derrete. Então as gotas não ficam igualzinhas à ilustração da embalagem. Mas é importante frisar: tem que vir com a quantidade de chocolate numa proporção similar ao que a ilustração promete. Nos dois primeiros casos, está claramente faltando chocolate. No terceiro caso ele pode estar encoberto dentro da barra. Aí só analisando com mais detalhes.

lasanha

rocambole

Os efeitos da compactação e transporte do produto fazem com que o molho seja absorvido pela massa e causam o efeito de que o produto não é o esperado. Vale então a regra: tem que ter a mesma proporção massa x recheio que a embalagem sugere.

 

cerveja

Esta cerveja está quase um chopp, com espuma grossa e volumosa, um tanto exagerada. A cor parece alterada mas o fundo é amarelo, o que ajuda a deixar a cor mais apetitosa. As gotinhas do “suor” da cerveja são quase que milimetricamente colocadas sobre o copo, cuja beleza também valoriza o produto.
Quanto ao produto real, se for corretamente servido, num copo adequado, e manter seu sabor característico, a satisfação do cliente não estará em jogo.

 

Nossa conclusão: Querer sair bem na foto é direito de todos, porém bom senso nunca é demais. A embalagem, o cardápio, a propaganda, tem sim que ser atrativa, e levar o consumidor à compra. Mas ele tem que comprar e depois repetir a experiência por se sentir satisfeito com o produto. Se uma expectativa irreal for criada ele não irá se sentir satisfeito e não irá mais adquirir o produto, causando um posterior impacto negativo nas vendas – e na imagem da empresa.

Para fazer propaganda responsável, com respeito ao seu produto, à sua marca e ao seu cliente, conte com a Edhy.

 

Obs: Quer ver como fazer o hamburguer da foto acima? Veja este vídeo!

Responda